Agapanthus africanus

Seu nome botânico deriva do grego agapas – amor e anthus – flor. Silvestre de uma região que contempla o encontro eterno do Oceano Índico com o Oceano Atlântico, cresce da mesma forma nos vales próximos a capital legislativa da África do Sul, Cidade do Cabo, como nas montanhas esverdeadas de Table Montain.

Nessa região, muito tempo antes do navegador português Bartolomeu Dias atingir, em 1487, o extremo Sul da costa africana, os sangomas (curandeiros) da tribo Xhosa preparavam um chá com as raízes para acalmar as dores do parto.

É uma excelente opção como flor de corte, já que as hastes são compridas, no entanto ao cortá-las lave a parte talhada para retirar a seiva pegajosa que dela escorre.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *