Peixes

Eles precisam ser alimentados. Que tal plantar espécies que forneçam o sustento para aumentar o cardume?


Cardume

Árvores de mata ciliar são, normalmente, produtoras de frutos consumidos pelos peixes. A goiabeira solta seus frutos disputados pelo pacu que, graças a eles e as folhas e sementes de outras árvores, alcança um metro e cerca de 20 kg. Quando sobram algumas bem madurinhas as tilápias nos rios e lagos de Maranhão até Rio Grande do Sul, fazem a festa e não somente eles, mas piracanjubas, carpas e piabas, também curtem essa fruta. As primeiras, na região Sul e Sudeste, as piabas no Rio Negro e as carpas, de origem asiática, tornaram-se comuns em todo o país.


Mata ciliar

Nas represas e rios de água doce, alguns peixes predadores, como tucunarés e robalos, buscam árvores, raízes e paus podres para comer peixinhos menores. Nas margens, no meio do capinzal semi aquático, escondem-se os peixes menores para fugir dos predadores, como as traíras. Este capim é o refúgio de insetos, que constituem a principal alimentação de peixinhos e alevinos.


Tambaqui

O mandi, o piau, a matrinxã e a jatuarana, desde a região amazônica até Mato Grosso; a piapara, encontrada no Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco, no leito dos rios, poços e margens. A piraputanga, que chega a 50cm e 3kg de peso, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

O tambaqui, que pode alcançar 30kg, encontrado em áreas inundadas e rios de praticamente todo o país. São todos dependentes das folhas, flores e frutas de diversas árvores nativas, como: pau-viola, jerivá, capororoca, aroeira-pimenteira, sangra-d’água, ingá, gabiroba, tarumá, cambuí, embaúba, pitanga e figueiras.

Mas atenção com o excesso de aguapés que pode comprometer o cardume, já que interfere na oxigenação da água. Ele, que não deve passar de 10% da área do lago o represa, pode ser retirado com a ajuda de balaios ou peneiras e, depois de seco e triturado, aproveitado como composto orgânico.

Se gosta de peixe, tem que gostar de árvore!

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *