Compostagem em pilha: como se faz?

Que tal aprender mais uma
forma de contribuir com a natureza? Se você recicla seu lixo orgânico,
já está fazendo sua parte para diminuir o lixo
doméstico que lota os aterros sanitários e ainda produz adubo orgânico para seu
jardim. Existem dois métodos de se fazer a compostagem – produção de adubos
através da reciclagem de resíduos orgânicos: com minhocas (que já falamos aqui
no blog) e compostagem em pilha, que é o assunto de hoje. Confira!


Para começar, vale a pena
enfatizar mais uma vez que com uma terra bem adubada, você tem plantas mais
saudáveis e, como consequência, elas são menos atacadas por pragas e doenças.

A compostagem em pilha é
indicada para quem tem um grande espaço e também produz uma quantidade vasta de
materiais orgânicos. Veja algumas dicas:


– Escolha um local que tenha
um espaço adequado para molhar as pilhas (o solo deve ter boa drenagem). Uma dica é montá-las
em locais sombreados e protegidos de ventos intensos,
assim se evita o ressecamento.


– Coloque
primeiro uma camada de material vegetal seco (folhas,
palhadas, troncos ou galhos picados) de 15 a 20 centímetros.


– Regue a primeira camada, mas
evite encharcar. Umedeça cada camada montada, para que a água se distribua de maneira uniforme por toda a pilha.

– Na segunda camada, coloque
restos de verduras, grama e esterco. No caso de esterco de boi, o indicado é 5
centímetros e, se for de galinha, a quantidade deve ser menor.


– Na sequência, deposite mais
uma camada de 15 a 20 cm com material vegetal seco, seguida por outra camada de
esterco e assim sucessivamente até que a pilha atinja 1,5 metros de altura. O
ideal é
que a parte superior fique quase plana, para evitar a
perda de calor e umidade.

Vale lembrar que você não pode
usar materiais como madeira tratada com pesticidas contra cupins ou
envernizadas, vidro, metal, óleo, tinta, couro, plástico e papel, já que eles
não são fáceis de degradar pelos microorganismos.


Ficou com alguma dúvida? Conte
para a gente nos comentários!

Foto: O Jardineiro.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *