Coisas que você precisa saber sobre a violeta-africana


Foto: Wildfeuer.

Tinha treze anos quando consegui um estágio com um botânico alemão que pesquisava plantas da família das gesneriáceas. Fascinado, eu contemplava as episcias que mostravam suas folhas aveludadas de tons prateados ou cúpreos, as floridas e multicoloridas gloxínias, as colunéias pendentes, com seus longos ramos. Mas as que chamavam mais minha atenção eram as violetas-africanas. Suas folhas com forma de coração, sedosas e prostradas e o ramalhete de flores, às vezes violetas, às vezes roxas ou brancas porém sempre com as anteras, onde o pólen amadurece, amarelo-ouro, eram irresistíveis, algo inusitadamente belo.

Aprendi a conhecê-las em uma época em que ainda não tinham alcançado a popularidade de hoje. Delicadas e frágeis e também com poucas opções de cores nas flores, raramente surgiam nas prateleiras das lojas que comercializavam plantas ornamentais.

Soube, pelos relatos do meu mestre, que o barão Walter Von Saint Paul Illaire, ganhara de seu pai, em 1892, como presente de despedida de solteiro, uma viajem a Tanganica, região que Alemanha conquistara em 1884. De lá, precisamente da cidade de Tanga, ele se dirige em direção noroeste até, depois de andar penosamente pela selva africana quase oitenta quilômetros, chegar às montanhas Usambara, na atual Tanzânia.

Segundo relatos dele próprio, a descoberta mais impressionante foi, em uma fenda das rochas, uma colônia formada por uma planta que ele não conhecia, repleta de flores. Como podiam vegetar em um local aparentemente tão inóspito, no meio de pedras colossais?

Em fim o caso foi que o barão, de volta a Europa, levou de presente as plantinhas para seu pai, Ulrich que, mais tarde junto a outro botânico de nome Hermann Wendland, publicou a primeira descrição dessa espécie já, no ano seguinte.

É claro que agora preciso dar algumas dicas para vocês, meus caros leitores, cultivem as mais lindas violetas-africanas. Vamos lá!

NOME BOTÂNICO: Saintpaulia ionantha

FAMILIA: Gesneriaceae

ÉPOCA DE FLORAÇÃO: ano todo, mais intensamente no verão.

LUZ: no verão, locais ligeiramente sombreados, no inverno uma boa iluminação sem, no entanto, expô-las ao sol direto e a ventos. O peitoril de uma janela voltada para o sol nascente é um bom local. As variedades que possuem folhas mais escuras precisam de mais luz do que as de folhas verde-claro.

TEMPERATURA AMBIENTE: mínima de 13°. São ideais os ambientes com temperaturas, oscilando levemente, em torno dos 25°.

REGAS: devem ser aguadas, duas vezes por semana, molhando apenas o solo sem umedecer as folhas, com água (preferentemente mineral, não suportam águas cloradas; em último caso, ferva a água) na temperatura ambiente. Nunca use pratos, com água, embaixo do vaso.

PLANTIO CORRETO: podem ser cultivadas em vasos de barro, já que estes respiram melhor que os de plástico. Deve-se colocar no fundo uma camada de 2 cm de pedra britada n° 0, em seguida 1 cm de carvão vegetal e areia lavada de rio e por cima um substrato poroso e rico em matéria orgânica (as cascas de pinus compostadas misturadas à turfa vegetal, pó de coco seco e vermiculita são as ideais).

ADUBAÇÃO: uma colher de sobremesa de farinha de ossos ou de farinha de peixes, incorporada ao solo, anualmente e um fertilizante na fórmula NPK 10-10-5 ou 20-20-10, mensalmente.

UMIDADE: as violetas preferem umidade ambiente elevada, contudo evite pulverizações com água. Uma dica boa é colocar o vaso em cima de uma bandeja com seixos molhados. O banheiro e a cozinha são ambientes ótimos, porem cuidado com as correntes de ar.

LIMPEZA: escove as folhas com um pincel suave para retirar poeira.

PODAS: não são necessárias, apenas corte com um estilete afiado as folhas e flores murchas.

PULGÕES, TRIPS, ÁCAROS E/OU COCHONILHAS: retire os com um cotonete embebido em água morna e álcool.

Colecione violetas-africanas, mas, pelo amor de Deus, não as jogue fora apenas pelo fato de estarem momentaneamente sem flores. Pense nelas como algo vivo que precisa de cuidados e estes, agora você já conhece.

Autor: Raul Cânovas
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *