Curiosidades que você precisa saber sobre a Mata Atlântica

Curiosidades que você precisa saber sobre a Mata Atlântica

Foto: Paulo Backes

No dia 27 de maio celebramos o Dia Nacional da Mata Atlântica. Você sabe qual a origem dessa data? Qual a importância da mata? Quais são as espécies que estão por lá? É sobre esses e diferentes outros fatos que vamos falar hoje por aqui.

A origem da comemoração

Foi no dia 27 de maio do ano de 1560 que o Padre Anchieta assinou a famosa Carta de São Vicente, documento no qual foi descrita pela primeira vez a biodiversidade das florestas tropicais nas Américas. Na carta, o Padre Anchieta descreveu a fauna, a flora e os moradores das florestas tropicais, como ele chamou a Mata Atlântica naquela época.

A riqueza da Mata Atlântica

Conforme o Ministério do Meio Ambiente, estima-se que existam na Mata Atlântica cerca de 20 mil espécies vegetais, incluindo diversas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção. Essa riqueza é maior que a da América do Norte, que conta com 17 mil espécies vegetais, e Europa, com 12,5 mil.

Em apenas um hectare de floresta na Bahia pode ser encontrar até 500 espécies de árvores. A isso se agregam milhares de espécies de animais, fungos e protozoários. De acordo com Lara Lutzenberger, ambientalista e Presidente da Fundação Gaia, isto se deve porque o bioma se estende por uma área continental e longitudinalmente, ou seja, de norte a sul, com grande ampliação de suas variáveis climáticas e edáficas. Regiões diferentes do mesmo bioma têm composições diferenciadas. No Rio Grande do Sul ela avança, pela encosta da serra geral, planalto adentro até a fronteira com a Argentina, chegando ao Parque do Turvo que se conecta com o Parque de Iguaçu, onde elementos da Mata Atlântica e da Floresta Amazônica se mesclam.

Os ambientes florestais tropicais por si, dada a grande altura de muitos de seus indivíduos arbóreos, subdividem-se também em estratos com características próprias por altura, agregando ainda mais riqueza ao seu espaço. Isso faz com que a Mata Atlântica demande prioridade em sua conservação. Ela é um dos pools mais ricos de biodiversidade que se tem conhecimento e necessita manter-se íntegra, não fragmentada, para a saúde de seu conjunto.

Reserva da Biosfera

De acordo com informações do WWF-Brasil, parte da Mata Atlântica foi reconhecida pela Unesco como Reserva da Biosfera no começo da década de 90. Lara Lutzenberger comenta que isso aconteceu quando José Lutzenberger, seu pai e então Secretário Especial de Meio Ambiente no governo Collor, instituiu sua legislação protetiva. A Reserva estende-se por cerca de 5 mil quilômetros ao longo da costa brasileira, com área total de 290 mil quilômetros quadrados.

“As ameaças a sua integridade seguem imensas, especialmente no âmbito da especulação imobiliária, práticas agrícolas inadequadas e mineração, carecendo de maior tomada de consciência e atitude de todos nós”, afirma Lara.

Algumas espécies da Mata Atlântica

O pau-brasil, que deu o nome ao nosso país; guapuruvu, árvore popularmente conhecida como ficheira; jequitibá rosa, que conta com lindas flores; palmito-juçara, que se desenvolve muito bem em ambientes úmidos e sombreados; pau-ferro, espécie bastante encontrada na região do Piauí e São Paulo; araucária, árvore majestosa que ocorre do Rio Grande do Sul até Minas Gerais e que fornece o pinhão, são todos exemplos de espécies da Mata Atlântica.

No Jardim Lutzenberger, na Casa de Cultura Mário Quintana (Porto Alegre), encontram-se diversas espécies desse bioma. Desde epífitas como bromélias, filodendros e orquídeas até exemplares pequenos de árvores como o pau-brasil, jabuticaba, guabiroba, cerejeira, figueiras e butiazeiro.

Manejo sustentável

“É possível manejar sustentavelmente a Mata Atlântica com obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais e respeitando seus mecanismos autorreguladores de sustentação. Atividades campesinas integradas em mosaico paisagístico, a extração de frutos e ervas medicinais, bem como a subtração pontual e limitada de espécies arbóreas. A STIHL fornece motosserras especialmente adequadas para esse manejo”, afirma Lara Lutzenberger.

O manejo florestal sustentável permite a exploração racional com técnicas de mínimo impacto ambiental sobre os elementos da natureza, e as motosserras STIHL são indicadas para tal ação. Devido às características da máquina, o operador tem condições de derrubar somente árvores adequadas para o manejo, na floresta.

O Dia Nacional da Mata Atlântica é um momento para refletirmos sobre a grande importância desse bioma para o país. Compartilhe!

* Esse texto é uma cocriação do Jardim das Ideias STIHL com Lara Lutzenberger, ambientalista e Presidente da Fundação Gaia – Legado de José Lutzenberger.

Um comentário
  1. O texto está perfeito. Só não vemos onde entra as motosserras STHIL . No manejo florestal sustentável? Não seria mais racional falarmos em proteção integral da Mata Atlântica, já muito destruída, do que em Manejo Sustentável onde há corte de árvores?

    1. Olá, José! Agradecemos seu comentário. O corte de galhos com o uso da motosserra está associado à poda de limpeza e manutenção destas plantas, respeitando as indicações conforme espécie (tipo de poda, época e demais práticas sustentáveis), para o manejo florestal sustentável. Em caso de dúvidas, estamos à disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *