Qual a diferença entre adubo e substrato?

Qual a diferença entre adubo e substrato?

Você não sabe qual é a diferença entre adubo e substrato para as plantas? Essa é uma dúvida bastante comum – e você confere a resposta a seguir.

O substrato é o suporte para as plantas fixarem suas raízes, e ele deve permitir, ao mesmo tempo, absorção de água e de nutrientes, assim como circulação de ar e trocas gasosas nas raízes (não pode ser compactado ou com estruturas que impeçam o desenvolvimento de raízes). O substrato deve ser livre de contaminantes, como fungos e insetos ou mesmo bactérias que causam doenças às plantas.

Este material pode ser diferente conforme o tipo de planta. O substrato para plantas epífitas, por exemplo, é feito de cascas e fibras vegetais, que permite a livre passagem da água. Já o substrato para plantas terrestres pode ser feito com uma mistura de materiais que tenham o “jaitão de terra”, com partículas pequenas e que tenham equilíbrio entre porção de água retira e drenada. É o caso das misturas com areia, húmus de minhoca, vermiculita, turfa de esfagno, casca de arroz carbonizada, etc.

O substrato pode ser uma fonte de nutrição, por ter materiais que liberam nutrientes, como húmus, esterco ou composto orgânico, mas ele não pode ser chamado de adubo.

Já o adubo é o produto que aplicamos regularmente para que a planta receba os nutrientes necessários para produzir novos tecidos (folhas, raízes, flores, frutos, etc). Pode ser de origem sintética, como o NPK, a ureia ou qualquer outro registrado como fertilizante mineral (os que são popularmente chamados de adubos químicos). Há o grupo dos adubos orgânicos, que são produzidos através da reciclagem ou compostagem de resíduos orgânicos (animais e vegetais). Neste caso, o adubo só pode ser usado se já tiver passado pelo período de estabilização, após compostagem.

Os adubos devem ser aplicados conforme orientação de técnico ou seguindo a dose, frequência e forma de aplicação indicadas nos rótulos das embalagens, de acordo com a necessidade de cada grupo de plantas.

Você ainda tem dúvidas sobre esse assunto? Coloque nos comentários!

Um comentário
  1. Minha dúvida é o composto feito com esterco suíno pode considerar como um composto orgânico?
    Sendo que o esterco é de suíno de granjas tratado com consentrato e ormonios com tudo o que colocam no consentrato ?

    1. Olá, Claci! Pela legislação brasileira, as empresas não podem tratar os animais com hormônios. Os alimentos em geral são grãos, rações, farelos de cereais. O esterco, após passar pela compostagem, tende a eliminar bactérias e demais organismos patogênicos. No caso específico de porcos e aves, algumas doenças são transmitidas pelas fezes dos animais, então é muito importante que esta compostagem seja feita de forma completa. Em empresas que criam animais e granjas, estes resíduos da produção são mantidos em tanques de compostagem e depois são usados na adubação orgânica. Seguimos à disposição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *