Weigela florida

Weigela florida

veigela, weigela

Oscar Wilde dizia que: “A experiência é o nome que damos aos nossos erros”, e é verdade quando se trata de lidar com a natureza. Falhamos usando inadequadamente as plantas com a intenção apenas de agradar os olhos de quem contempla. Com a veigela me aconteceu isto há uns vinte anos, projetando um jardim no Litoral Norte. Meu cliente era austríaco e decidi agradá-lo usando esse arbusto, já que lhe traria lembranças boas das paisagens alpinas. Minha proposta era quase perfeita, digo quase porque esqueci de um detalhe: a veigela detesta calor, praia e coqueiros por perto. Depois do projeto implantado a “coitada” suportou algum tempo até que, abandonada a sua própria sorte, sucumbiu no segundo verão.
Isto me ensinou respeitar o jeito e a vocação das plantas, que desenvolvem maneiras de adaptarem se aos seus habitats, através de milênios, situação esta que a minha prepotência não pode mudar.

Com folhagem atraente, suas flores seduzem borboletas e beija-flores e é muito fácil de cultivar, tanto que depois de introduzida na Inglaterra por Robert Fortune (1812-1880) em 1845, seu cultivo se popularizou por toda Europa. Esse botânico escocês, que também levou variedades de chá-preto da China à Índia, para seu cultivo pelos colonizadores, aproveitou O Tratado de Nanquim, assinado em 29 de agosto de 1842, para coletar plantas, com o patrocínio da Sociedade de Horticultura de Londres. São muitas as espécies que levam seu nome: Trachycarpus, Euonymus, Rosa, Osmanthus, Rhododendron e algumas outras são denominadas de fortunei, homenageando esse famoso “caçador” de plantas.

Se quiser ter o prazer de vê-la no seu jardim, sempre bonita, esteja atento às podas, sempre necessárias depois da florada quando deve-se cortar 1/3 dos ramos, para florescer abundantemente no ano seguinte. A tarefa deve ser feita com tesoura de poda, nunca com podadores mecânicos, ramo por ramo. E o mais importante: seu cultivo deve-se restringir as regiões serranas do Sul do país.

Confira a ficha completa na Biblioteca de Espécies.

Um comentário
    1. Obrigada! Ficamos felizes que tenha gostado, e agradecemos pelo feedback!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *