Várzea

As florestas e campos de várzea suportam periodicamente inundações que depositam grande quantidade de material orgânico


Várzea

Sempre com topografia plana e situadas nas margens dos rios, ficam sob as águas nas estações chuvosas. As enchentes, nessas regiões ribeirinhas, formam um solo turfoso de alta fertilidade. Um exemplo muito conhecido é a várzea do Rio Nilo, chamado também de Delta por causa de seu formato triangular que lembra a letra do alfabeto grego. O Nilo aportou fertilidade ao deserto, permitindo com suas cheias o florescimento e glória do período faraônico. Lá crescem papiros, lótus, acácias, figueiras, jasmins e muitas outras que convivem com as gaivotas, ibis, chacais e crocodilos.

Por aqui também podemos confirmar a fertilidade das várzeas, no final das contas temos o Rio Amazonas que, junto com o Tocantis, o Araguaia e outros rios menores formam um imenso delta, circundado pela maior floresta tropical do planeta, onde as árvores surgem apinhadas, não dando muito espaço para a vegetação rasteira que carece de iluminação solar devido à densidade das copas das árvores. Elas competem entre si desfrutando do farto alimento que o bioma oferece e servem de habitat para uma fauna que usa os ramos dessas árvores como local de moradia. São cobras, macacos, marsupiais, tucanos, pica-paus, roedores e morcegos, entre outros.


Amazona festiva (Papagaio-da-várzea)

Essas terras úmidas estão localizadas, algumas vezes, em fundos de vale e entre montanhas recebendo, graças à ação dos ventos e das chuvas, a matéria orgânica que forma um solo turfoso e rico, estimulando a biodiversidade. Atuam também como filtros naturais que absorvem nutrientes e microorganismos em decomposição.


Triplaris surinamensis (pau-formiga)

Pesquisas recentes demonstram que as águas servidas podem ser lançadas nas várzeas, oferecendo dessa forma, um tratamento natural para elas. Muitas dessas áreas úmidas têm servido para esse tipo de tratamento, por 40 anos ou mais, mas só agora são compreendidos seus benefícios ecológicos, o que nos leva a afirmar que qualquer operação para drená-las é um perigoso equívoco, até porque reduzem a erosão nos períodos de inundações, graças à vegetação que age como barreira e serve de refugio para pássaros e mamíferos.


Socratea exorrhiza

Nas áreas de várzea tropicais podem ser plantadas as seguintes espécies nativas:

Virola surinamensis – ucuúba

Carapa guianensis – andiroba

Ceiba pentandra – sumaúma

Symphonia globulifera – anani

Calycophyllum surinamensis – pau-mulato

Mora paraensis – pracuúba

Macrolobium acacifolium – arapari

Pachira aquatica – monguba

Pterocarpus amazonicus – mututi

Triplaris surinamensis – pau-formiga

Pentaclethra macroloba – pracaxi

Euterpe oleracea – açaí

Astrocaryum murumuru – murumuru

Raphia taedigera – jupati

Oenocarpus bacaba – bacaba

Oenocarpus bataua – patauá

Mauritia flexuosa – buriti

Manicaria saccifera – bussu

Socratea exorrhiza – paxiúba

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *