Uma história que parece não ter fim, conforme depoimento de um jequitibá


Tenha paciência, não me interrompa. Para contar esta minha história, preciso viajar no tempo, dar um imaginário salto, um pulo de ré, que me faça cair onde tudo se originou para dizer: “Era uma vez…” ou “Em tempos remotos…”.
Sim, seria um bom começo se eu não fosse uma árvore. Os humanos, a bicharada e até os seres mitológicos começam suas narrativas deste modo. Prefiro optar por uma forma mais vegetal, imaginando-me talvez um rebento a desabrochar suas próprias sensações.

Quero que sintam comigo essa insegurança que vivenciei, quando uma ventania me soprou no meio de um temporal estrondoso. Imaginem o que é voar sem asas, presa numa nuvem insensata e desvairada que, enceguecida, me libertou no meio do nada. Nada a contemplar e, depois da tempestade, nenhum barulho, apenas quietude e solidão.
Estava aí sozinha no meu minúsculo mundo que se resumia a um insignificante caroço, quando um incontrolável impulso fez com que desgarrasse a pele protetora, para poder soltar minha primeira intenção em forma de broto. Era por fim alguém, um individuo com vontades pretensiosas, com anseios mirabolantes e com um montão folhas a dar a luz.

Em volta de mim não existiam modelos que me inspirassem, vizinhos a me aconselhar, nem se quer alguém para servir-me de guia. Estava inventando meus compromissos e para cumpri-los, também, descobria um modo de agir. Meus instintos me ensinaram a produzir uma madeira clara que sustentaria um tronco imenso e poderoso. Tudo isso foi há tantos anos! Quantos? Sei lá! Talvez centenas e centenas, nem sei se vale à pena contá-los.

Lembro que, inicialmente, instalaram-se ao meu redor alguns capins chucros que, obstinadamente, tentavam colonizar esse campo solitário, esse páramo desabrigado onde o sol queimava meus tenros brotos. Era mato como você, e os homens chamam esses pastos, um mato sem graça quiçá, mas que valentemente dava cobertura a algumas pequenas mudas que, como eu, tentavam emergir da solidão e se relacionar. Formamos um bosquete, um ajuntamento de ramalhos que começara a desenhar luzes e sombras sobre uma relva incipiente que teimava em se vestir de verde.

Passaram-se algumas décadas, semente após semente germinada, muitas mais. Hoje, contemplo a mata vasta e compreendo a união de tantas árvores, que respeitando as diferencias criamos uma comunidade, um bioma, como costumam falar os cientistas. Para nós essa junção significou algo difícil de expressar com palavras, mas como nossa linguagem é diferente da de vocês humanos, que tal chamar essa associação de idéias, essa somatória de esforços, apenas de… União.

Por Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *