Um arbusto no combate à dengue

Originária da Índia, a Crotolaria juncea é considerada excelente na adubação verde. Agora é também uma arma biológica no controle da dengue

Crotolaria juncea

 

Da família das leguminosas, é de crescimento extremamente rápido, alcançando mais de um metro de altura em quatro meses. É uma das mais eficazes para fixar nitrogênio no solo e promover a reciclagem dos nutrientes. Popular no Nordeste, onde é conhecida como xiquexique, aguenta a seca e controla nematoides, esses vermes de solo que parasitam as plantas enterrando a cabeça na raiz, ou entrando na planta por inteiro, provocando um inchaço, ou uma galha.

Nos jardins, a showy rattlepod, como é chamada em inglês, atrai a libélula que põe seus ovos em águas limpas e quietas, igual ao Aedes aegypti. Essas larvas da libélula se alimentam de outras larvas, inclusive daquelas que transmitem a dengue. A libélula já adulta também se nutre de pequenos insetos, e o Aedes aegypti faz parte do seu cardápio, diminuindo a proliferação do mosquito.


Libélula

Na cidade de Sorriso, na região norte do estado de Mato Grosso, a Prefeitura decidiu, além dos cuidados básicos, distribuir sementes de crotalária, atendendo à recomendação da Engenheira Agrônoma Cyntia Giacomeli. De acordo com ela, a ideia surgiu em um congresso de produtores rurais no ano passado. O Clube Amigos da Terra resolveu financiar as sementes que hoje são distribuídas gratuitamente pelos agentes de saúde.

Outras cidades como Matão-SP, já experimentaram essa leguminosa com sucesso, distribuindo mudas. Na última terça-feira, o administrador do Viveiro Municipal de São José do Rio Preto, Anderson Bessa, esteve lá para conhecer o projeto que é desenvolvido na cidade desde outubro do ano passado. A assessora de Saúde Claudia Maset afirma: “O projeto implantado no ano passado tem apresentado até agora bons resultados. Este ano registramos somente um caso importado de dengue. Já os casos suspeitos são de pessoas que estiveram em cidades com centenas de casos positivos registrados, e boa parte de nossa população fica em Rio Preto, a trabalho ou a passeio. Ajudando as cidades no combate a dengue estaremos protegendo nossos moradores. Nos colocamos à disposição das cidades que queiram implantar o projeto.”

A ideia está tomando conta de várias cidades de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, que ligaram para obter mais informações sobre esse projeto.

No jardim, basta semear de 20 a 25 sementes por metro quadrado ou semeá-las em vasos. Por ser rústica, a crotolária cresce sem problemas em solos secos, arenosos, pedregosos e até em áreas arenosas de região costeira.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *