Por que as chuvas embelezam o jardim

Mesmo regando todos os dias ou usando uma irrigação automática, as plantas não ficam tão viçosas como quando chove.

 

 
E isto é mais notável nos trópicos, onde a diversidade florística não apenas é maior, mas também apresenta uma exuberância intensa — seja pelo tamanho avantajado das folhas ou pelas floradas intermitentes, independente da estação.

As chuvas têm uma grande responsabilidade nessa fecunda abundância que vemos nas matas e jardins que mantém características genuínas. Isto porque, além de hidratar as plantas com água livre de dióxido de cloro, sais ferrosos, permanganato de potássio, ácido peracético etc. (que alteram o pH e eliminam uma série de bactérias benéficas ao desenvolvimento vegetal), fornecem nitrogênio.

Os relâmpagos e trovões realizam uma fixação biológica de nitrogênio durante as tempestades, “limpando” a atmosfera de poluição e lavando as folhas que ficam livres de poeiras. Nas regiões onde há garoas e as chuvaradas não existem, a vegetação é rala e com folhas miúdas.

 

 

As tempestades, tormentas, temporais ou torós, como são chamados, são fenômenos associados a ventos fortes, trovoadas, relâmpagos, raios e chuva copiosa, de curta duração, mas com efeitos que as plantas do jardim agradecem bastante.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *