Para climas áridos, os Aloes

O mais conhecido por suas qualidades terapêuticas é o Aloe vera, porém esse gênero botânico tem outras 450 espécies, conhecidas simplesmente como babosas


Aloe vera

A palavra aloe deriva do árabe “alloeh” que significa substância amarga e brilhante. São plantas herbáceas formada por rizomas, entouceiradas, suculentas, alcançando, em média, de 0,50m a 1,20m de altura, com algumas exceções que podem atingir mais de 3 metros. Suas folhas carnudas, firmes e quebradiças, mais ou menos triangulares, são às vezes mosqueadas, com manchas ou salpicadas por pequenos pontos amarelados. Possuem espinhos macios nas bordas. Geram inflorescências tubulares, altas, vermelhas, alaranjadas ou amarelas, no caso da Aloe vera, formadas preponderantemente no inverno e na primavera. Essas integrantes da família das liliáceas habitam as regiões semidesérticas do Norte da África, desde a Ilha da Madeira e das Ilhas Canárias, até a Ilha de Socotra, um pequeno arquipélago formado por quatro ilhas no Golfo de Aden, no Oceano Índico, em frente à costa da Somália.


Babosa em flor

Segundo o cartógrafo árabe Muhammad Al-Idrisi (1110 – 1166), o aloe da Ilha de Socotra seria conhecido dos gregos desde o século IV a.C. e foi incluído na obra “De Materia Medica”, a principal fonte de informação sobre drogas medicinais desde o Século I até ao Século XVIII, escrita por Dioscórides.


Dioscorides: "De Materia Medica"

A fama desta planta vem de tempos remotos, já que era um dos componentes das receitas usadas para preservar as múmias. O povo dos guanches na ilha de Tenerife, há pelo menos 500 anos antes de Cristo, os egípcios a cerca de 3300 a.C. e os habitantes primitivos de Socotra, usavam a babosa para manter os cadáveres intactos indefinidamente. Inclusive a babosa, junto com a mirra, foi usada por Nicodemos para preparar o corpo de Jesus. Nesta última região uma antiga lenda conta que foi o milagroso poder curativo da Aloe socotrina que levou Alexandre, o Grande a conquistar a Ilha de Socotra, com a intenção de se apropriar da rica plantação de aloes para curar seus soldados, feridos nas guerras. Mais tarde, no início do século XVII, os ingleses comerciavam a produção do aloe com o monarca da ilha.


Plantação de Aloe vera

São fáceis de serem cultivados, sempre a pleno sol, em solos arenosos de baixa fertilidade, inclusive em regiões de clima temperado e preferentemente, seco. Folhas e rebrotes pegam bem em terra solta, principalmente quando estes forem os rebentos da planta-mãe e com raiz. A esta planta lhe são reconhecidas propriedades antibacterianas e cicatrizantes, com uma grande capacidade de reidratar os cabelos e a pele danificada por queimaduras, levando importantes nutrientes para regenerar as células vivas. Uma fina camada da seiva mucilaginosa tem o poder de reter água mantendo a derme hidratada, mesmo sob o sol forte do deserto.

Entretanto, das diversas espécies catalogadas pelos botânicos, só quatro podem ser utilizadas como tratamento alternativo e apenas uma delas, o Aloe vera, é nutritiva o suficiente para ser aproveitada nos tratamentos fitoterápicos, sendo vista como uma das mais completas plantas medicinais.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *