Pandanus utilis - Pândano


Pandanus utilis
 
Árvore escultural, com formato piramidal único, chama à atenção por causa de suas folhas espatuladas e raízes aéreas que assemelham se a muletas de sustentação. Estas indicam que a espécie é nativa em locais pantanosos e arenosos próximos às praias, sendo, nesses casos, útil no controle da erosão. Os frutos femininos são formados por numerosas drupas que pendem dos ramos e são consumidos cozidos, em Kiribati, Ilha de Reunião e Ilhas Mauricio. Flutuam no mar e assim surgem mudas nos Oceanos Indico e Pacífico, sem a ajuda do homem. As espécies masculinas possuem flores amarelas e aromáticas e suas sementes são usadas na confecção de terços e colares. Com as fibras das folhas são feitos chapéus, cordas, tapetes, cestas; servindo, também, para cobrir as casas dos nativos.
 


 


Foi Jean Baptiste Bory de Saint-Vincent, um naturalista francês, que descobriu a espécie, quando foi enviado junto ao capitão Nicolas Baudin à Austrália, em 1798. No entanto, esse moço, que na época tinha apenas vinte anos, acabou abandonando a expedição nas Ilhas Mauricio, dedicando-se a explorar outras ilhas do Oceano Indico, especialmente a Ilha Reunião.

É digno de dó ver essa árvore sendo usada em locais com solos pobres e pedregosos, como lamentável, também, quando utilizada em vasos onde as raízes não conseguem desenvolver. Os Pandanus, como o próprio nome já indica, são de locais pantanosos, com alta umidade ambiente, ocasionada pelas chuvas, pelo orvalho diário e pela associação de outras espécies que densamente convivem com eles.

Antes de pensar no resultado estético é um dever ético contemplar as funções orgânicas dele.

Conheça a ficha completa da planta na Biblioteca de Espécies.
Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *