Palmeiras e Corinthians aliados?

É, mas por uma causa socioambiental. Os times colocaram seus goleiros Deola e Júlio César como padrinhos para a plantação de 50 mil árvores no interior paulista

De um lado Eliton Deola, 28 anos, goleiro menos vazado do Estadual e no outro Júlio César, 26 anos, sucessor de Felipe e em grande fase, tornaram-se embaixadores do projeto “Jogando pelo Meio Ambiente” colocando a rivalidade dentro do campo como uma ferramenta que visa incentivar torcidas e simpatizantes do futebol a engajarem-se no plantio de árvores.


Júlio César, goleiro do Corinthians

O goleiro do Corinthians diz que decidiu participar porque realmente acredita na causa. "Antes de sermos rivais, somos seres humanos, vivemos no mesmo ambiente esportivo e temos os mesmos anseios. Espero que daqui para frente todos os clubes grandes de São Paulo possam participar também", opinou Júlio César.


Deola, goleiro do Palmeiras

"A causa é muito nobre. É evidente que o mundo precisa de mudanças drásticas. Acho que o plantio de árvores pode ajudar muito, por isso é importante a conscientização de todos", manifestou Deola, da equipe do Palmeiras.

Em cada jogo do Corinthians e do Palmeiras, serão plantadas100 árvores. E com cada gol marcado por uma das duas equipes vai acontecer o mesmo. Em 2010 foram plantadas 23 mil mudas. E para que este número aumente, foram criadas outras regras. Por exemplo: a cada pênalti defendido pelos padrinhos Deola ou Júlio César, mais 200 árvores serão plantadas e, no caso de uma das equipes conquistar algum torneio, haverá um plantio bônus, sendo 1.000 árvores para o Campeonato Paulista e 3.000 para Copa Sul-Americana e Brasileirão.


Mudas de árvores prontas para plantio

"Gol é legal de fazer, pegar pênalti também, mas o objetivo principal dos goleiros é terminar o jogo sem levar nenhum. Acho que poderiam plantar 100 árvores quando isso acontecer", sugeriu o goleiro do Palmeiras que teve sua proposta aceita. Aproveitando o clima de parceria, os dois goleiros combinaram que quem conseguir o menor número de plantio de árvores, terminada a temporada, terá que fazer uma doação de cestas básicas.

Segundo Deola o desafio está aí, com uma briga saudável. E Júlio César comentou encerrando: "a rivalidade continua, agora não tem jeito de sair".

Um bom exemplo a ser seguido pelos eternos rivais dos outros Estados. Vamos engajar a turma do Flamengo e do Fluminense, do Internacional e do Grêmio, do Cruzeiro e do Atlético Mineiro… enfim daqueles times que levam a torcida ao delírio e podem levar o cidadão a ser participativo nas questões ambientais.

Uma boa!

 

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *