Nossa paciência e a nobreza das árvores


Ocotea porosa – imbuia.

Nem sempre as árvores acompanham nossas expectativas. Quando se trata do crescimento delas é comum a nossa ansiedade de ver a muda já formada, dando sombra, em fim, com seu tamanho definitivo. Geralmente nossa paciência termina muito antes do desenvolvimento final dessa árvore.

Existem algumas essências nativas que progridem com bastante rapidez como, por exemplo, o guapuruvu, a embaúba, o capixingui, o monjoleiro e muitas outras que enriquecem a paisagem de nossas matas e de nossos campos. Mas notem que são os paus-brasil, as canelinhas, as imbuias e as castanhas-do-pará as que fornecem as melhores madeiras e os frutos mais nobres.

Isso, talvez, seja a sutil indicação de que para conseguir o melhor, precisamos controlar nossas aflições.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *