Jubaea chilensis

As homenagens que os botânicos fazem quando classificam um gênero, isto é, a hierarquia maior e homogênea a que uma planta pertence é, em alguns casos, extremamente acertada.
Esta palmeira, por exemplo, foi batizada com o nome de Jubaea glorificando, dessa forma, o rei Juba II, que governou Numídia no início da era Cristã; esse reino estava localizado na região atual da costa oriental da Argélia.

Juba casou com a filha de Cleópatra e Marco Antonio, era um erudito que incursionava em várias ciências, como a botânica; neste campo descobriu os poderes curativos das euphorbiaceas (Euphorbus fora seu médico).

Mas voltando a esta palmeira, de tronco acinzentado, é bom saber que seus frutos (por volta de 10.000 em cada safra) são utilizados em doces típicos, assim como, também, a seiva que produz uma espécie de mel com alta concentração de açucares.

Os arqueólogos chilenos acreditam que, na Ilha de Páscoa, os troncos eram usados para transportar os imensos moais; isto aconteceu até a extinção total da espécie, nessa pequena ilha vulcânica.

Autor: Raul Cânovas

Nome botânico: Jubaea chilensis.
Nomes comuns: Palmeira-do-chile.
Sinônimos estrangeiros: Chilean Wine Palm, Coquito Palm, Honey Palm (em inglês); Palma Chilena, Palma de Coquitos, Palma de Miel Cancán, Lilla, Glilla(em espanhol).
Família: Arecaceae.
Características: palmeira de aspecto notável, podendo atingir 400 anos. A idade é calculada contando as cicatrizes, que as folhas deixam no tronco, e dividindo esse número por oito.
Porte: até 30 m de altura.
Fenologia: demora entre 30 a 60 anos para florescer.
Cor da Flor: púrpura.
Cor da folhagem: verde-escura.
Origem: costa e encostas montanhosas (ate 1400 m de altura) da região central do Chile, entre os paralelos 30° e 36°; é endêmica desse país.
Clima: subtropical/temperado (tolera geadas).
Luminosidade: sol pleno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *