John Tradescant (O Velho)

Correndo riscos de toda espécie nas suas aventuras pelo mundo, este “caçador” de plantas foi um precursor da jardinagem nas Ilhas Britânicas


John Tradescant, o velho

Ele foi o responsável pela introdução e popularização de muitas espécies vegetais usadas nos jardins britânicos. Tanto ele como sei filho John, conhecido como “o jovem” foram os primeiros naturalistas ingleses que se aventuraram por terras distantes, para conhecer e trazer plantas exóticas.

Tradescant pai viajou entre 1609 e 1627 por países como Holanda, França, Rússia e até o norte da África, contando sempre com o patrocínio do Duque de Buckingham, do Conde de Salisbury e do próprio Rei da Inglaterra Carlos I e sua esposa a Rainha Henrietta Maria. Para eles desenhou jardins e acumulou o cargo de jardineiro real a partir de 1630, sem nunca descuidar de sua coleção de plantas raras em sua residencia em Lambeth, próxima de Londres.


Tradescantia virginiana

Muitas árvores e arbustos foram importadas por ele: o lariço siberiano (Larix sibirica), os gerânios, as parreiras, a própria Tradescantia virginiana e muitas outras que, junto a objetos raros e bizarros, fizeram a fama dele ao ponto de ser comum naquela época dizer que, quando algo era considerado curioso e diferente, fora tirado da “arca de Tradescant”.


O Taxodium distichum é uma conífera caducifolia que alcança 45m de altura nas regiões pantanosas dos Estados Unidos

Seu filho também era colecionador e o sucedeu no cargo de jardineiro real. Viajou à Virgínia, nos Estados Unidos, três vezes: em 1637, em 1642 e em 1654. De lá levou o Acer rubrum, o cipreste- calvo (Taxodium distichum), o plátano-americano (Platanus occidentalis) e o tulipeiro-de-virginia (Liriodendron tulipifera).

Elias Ashmole, depois de sua morte, se fez cargo da coleção dele e do pai reunindo tudo no núcleo de Ashmolean, no Museu de Oxford, fundado em 1683. As três gerações dos Tradescant, o Velho, o Jovem e John III, estão enterrados na Igreja de St. Mary-at-Lambeth. Atualmente a paróquia é o Museu da Jardinagem e sede da Fundação Tradescant.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *