Fuchsia hybrida

Existem quase 15.000 hibridos deste gênero que, originalmente, habita a Cordilheira dos Andes, desde Chile até as montanhas Maya, na Guatemala.

Quando o naturalista Saint-Hillaire visitou o Rio Grande do Sul, em 1820, se encantou com esta trepadeira que é a flor símbolo desse Estado sulino.

Crescem melhor na face Leste ou Sul, em lugares levemente sombreados, protegidas do vento e do ressecamento.

A Fuchsia American Society pesquisa esta trepadeira desde 1929.

Autor: Raul Cânovas

 

Nome botânico: Fuchsia hybrida
Nomes comuns: brinco-de-princesa, fúcsia, lágrima, agrado.
Sinônimos estrangeiros: fucsia, pendientes de la reina, coralitos, corales, aljaba, chilco, aretillo (em espanhol); earring, hybrid fuchsia (em inglês); fuchsie (em alemão).
Família: Onagraceae.
Características: trepadeira semi-herbácea ou, as vezes, arbusto pendente.
Porte: até 3 m de altura.
Fenologia: primavera e verão.
Cor da Flor: branca, rosa, roxa, violeta, azulada, combinando duas ou mais cores.
Cor da folhagem: verde-médio (variável).
Origem: América do Sul e América Central.
Clima: subtropical (aprecia o frio, livre de geadas).
Luminosidade: meia-sombra ou sol pleno, durante algumas poucas horas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *