Flores no Outono

Delicados estes meses em que as águas do rio me mostram o céu


Alcea rosea

 

Vejo como as púrpuras e os anis brilham mais e os dourados de todas as pétalas se empanturram de luz. Ouço o início do soneto de “As Quatro Estações” de Vivaldi, onde ele escreve no Allegro de Outono "celebra o aldeão com danças e cantos…" e penso nesta estação como nesse andamento musical, leve e ligeiro, que o músico veneziano nos legou.


Delphinium elatium

Mais ainda, meu outono está impregnado de um Tom Jobim que diz "são as águas de março fechando o verão, é a promessa de vida no teu coração". Sim Tom, e nele não há crepúsculos, apenas as garoas que alimentam meu jardim, para que floresçam as malvas-rosa, as flores-de-cetim, as esporinhas, as onze-horas e todo tipo de prímulas.


Portulaca grandiflora

Algumas árvores atrevidas se desnudam para mostrar-me suas flores e me deixam ansioso pensando nas loucuras que inventarão no inverno.


Primula x polyantha

Quem sabe alguém se alegre ao ver seu amado voltar pela trilha que este outono desenhou com tonalidades tão quentes!

Desfrute de um canteiro colorido usando:

Alcea rosea (malva-rosa): vermelhas, rosas, brancas e amarelas;

Delphinium elatium (esporinha): azuis, rosas, brancas, roxas;

Portulaca grandiflora (onze-horas): brancas, roxas, rosas e vermelhas;

Primula obconica (prímula): roxas, brancas, rosas e vermelhas;

Primula malacoides (primulinha): roxas, brancas, rosas, vermelhas;

Primula x polyantha (prímula-acaule): roxas, brancas, vermelhas, amarelas, laranjas.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *