Doenças fúngicas

O clima tropical, com temperaturas altas e umidade constantemente elevada, favorece o aparecimento de fungos nas plantas ornamentais

Mancha-negra-da-roseira
 

Insisto na tese de cultivar mudas que atendam às suas necessidades em termos de insolação e outros fatores para evitar o uso de fungicidas. Plantas bem nutridas não sofrem ataque de fungos que são propagados pelo vento ou por contaminação de ferramentas mal lavadas ou até mesmo por adubos orgânicos contaminados. O mofo, por exemplo, é uma célula quase microscópica que flutua no ar. Esses esporos preferem áreas escuras e úmidas para se instalar e reproduzir. São as mesmas células diminutas que também encontramos em alimentos como frutas, pães e verduras, já que buscam alimentos em locais favoráveis a seu desenvolvimento.

Existem mais de 4.000 fungos associados a plantas ornamentais, segundo estudos de biólogos e fitopatologistas. Alguns afetam apenas as partes aéreas das plantas (folhas, troncos, ramos, flores, frutos e sementes), mas outros podem afetar raízes, tubérculos e bulbos. Eles, quando as condições são propícias, provocam podridão das sementes na etapa de semeadura ou interferem na germinação e no desenvolvimento das plântulas. Quando atacam a raiz, o colo e o sistema vascular, prejudicam a absorção de água e o transporte dos nutrientes indispensáveis à planta, causando atrofiamento, murcha e, finalmente, a morte da planta.


Rhizoctonia no gramado

Para o tratamento, há alternativas menos agressivas que os fungicidas, como o fosfito de potássio (Fitofós. K), os biofertilizantes, o bioativador Trichonat EF, bioprotetores como o Biotrich, que age parasitando o fungo. Outra maneira de manter os fungos longe do jardim é o extrato pirolenhoso, produto milenar na agricultura japonesa, obtido pelo condensamento da fumaça resultante da carbonização de lenha, durante a produção de carvão vegetal. Utilizado como condicionador de solo, é um bioestimulante vegetal, indutor de enraizamento, repelente de fungos e de insetos.


Hortênsia com cercosporiose, doença comum quando cultivada na sombra

Entretanto, nada melhor do que escolher espécies afins ao clima ou ao ambiente onde serão cultivadas. As plantas não entendem essa coisa de “aguentar” nossas pretensões. Somos nós que devemos compreender as necessidades delas. Não adianta tentar dominar a natureza. Quando nos associamos a ela, vivemos mais e melhor.

Autor: Raul Cânovas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *