Cortina verde: aprenda a fazer na sua casa

Cortina verde: aprenda a fazer na sua casa
No episódio 17 da websérie Jardim das Ideias, vimos que a cortina verde é uma boa opção para deixar ambientes mais fresquinhos. Chegou a hora de conhecer esse projeto um pouco mais a fundo.
As chamadas cortinas verdes são como uma cascata de plantas que vai subindo em direção ao teto. Tratam-se de telas ou redes fixadas próximas do prédio/casa, onde são plantadas espécies de trepadeiras. As plantas sobem na tela e criam uma espécie de “cortina” de vegetação que protegerá da insolação direta, economizando energia e ainda deixando o local mais inspirador.
Essa técnica começou a ser implantada depois do Tsunami de 2011, quando o Japão precisou economizar energia elétrica, ou seja, diminuir o uso do ar-condicionado. Foi aí que as cortinas verdes se espalharam entre prédios públicos e privados do país.
O melhor de tudo é que você pode fazer na sua casa, já que é econômico e fácil de montar. Você só precisa armar uma treliça levemente inclinada e fixada na fachada da casa. Se ela tiver que ser alta, indica-se o uso de cordas ou arames para que as trepadeiras possam subir.

Com essa parte feita, é hora de saber qual melhor tipo de planta para sua região. Você pode ainda escolher uma planta que seja comestível e cresça rápido, assim você terá uma pequena horta.

No caso da websérie Jardim das Ideias – 50 dias de Verde, optou-se pela trepadeira Sapatinho de Judia. Com folhagens bem ornamentais, suas flores amarelas com marrom avermelhado ganham destaque. Podendo ser mantida em sol pleno ou meia-sombra, é uma espécie que não exige muitos cuidados.
Curtiu? Inscreva-se em nosso canal no Youtube para não perder nenhum “faça você mesmo”!
Um comentário
  1. Favor listar as espécies de trepadeiras que melhor se adotam a esse tipo de projeto e, por região.
    Essa informação ia ajudar muito, pois estou implementando essa ideia na escola.

    1. Olá, tudo bem? Essa planta se chama Ipomea purpurea. Qualquer dúvida que tiver, estamos à disposição. Obrigada por comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *