Clima Parte V - Ventos

Em linha geral os ventos têm uma propensão a ser mais secos e quentes quando sopram do Oeste, já que esse ponto recebe uma insolação mais forte na parte da tarde. Porém, quando provenientes do Sul, surgem frios e carregados de umidade. É interessante levar este aspecto em conta no momento da inserção das espécies vegetais no projeto de paisagismo.

Árvores e arbustos, com sistemas radiculares extensos e profusos podem ser utilizados para minimizar a ação destes movimentos de ar, evitando-se espécies com ramos delicados e quebradiços e também copas globulares muito compactas de grande porte. Estes renques devem ser pensados de maneira a não sombrear edificações e piscinas, principalmente no inverno. Plantas mais delicadas poder ser favorecidas quando orientadas para o leste que recebe brisas suaves, especialmente nas regiões de trópicos e subtrópicos onde aportam frescor ao ambiente.

Os padrões dos ventos nas grandes cidades são muito irregulares quando comparados com seus contornos e proximidades. Nas regiões centrais, redemoinhos de massas de ar e rajadas de vento, concentram grandes quantidades de poluentes ocasionados pelo excesso de veículos. O efeito destes ventos é potencializado pelos prédios que mudam sua altura, forma e orientação. Isso cria por vezes verdadeiros “desfiladeiros” que intensificam as movimentação súbita das massas de ar, transformando-as em fortes rajadas ou ignorando alguns bolsões de calmaria onde se formam as ilhas de calor. A intervenção verde é benéfica, atenuando estes fenômenos tão prejudiciais a saúde daqueles que vivem em urbes com alta concentração demográfica.

Conclusão:

Conforme o exposto, podemos finalizar este capítulo apontando os fatores climáticos mais relevantes:

Temperatura
Umidade e regime de chuvas
Insolação
Ventos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *