Castanheira-de-macaco (Couroupita guianensis)

Os induistas cultivam a árvore, nos tempos consagrados a Shiva, motivados pelo fato da flor lembrar a forma de um “nagam”, a serpente sagrada.

Interessante que no Panamá, particularmente, na cidade Rio de Jesus, é considerada milagrosa, possivelmente porque floresce na Semana Santa.

Crenças a parte o abricó-de-macaco é notável por sua copa de forma piramidal, flores enormes que se soltam diretamente do tronco e os frutos, com 25 cm de diâmetro que, bizarramente, lembram balas antigas de canhão. Prefere clima quente e úmido.

 

Autor: Raul Cânovas

Nome botânico: Couroupita guianensis
Nomes comuns: abricó-de-macaco, castanha-de-macaco, castanheira-de-macaco, cuia-de-macaco, amêndoa-dos-andes, cuiarana, curupita, árvore-de-bola-de-canhão, macacarecuia.
Sinônimos estrangeiros: cannon ball tree, monkey chestnut (em inglês); bala de cânon (em espanhol).
Família: Lecythidaceae.
Características: árvore de frutos grandes de odor desagradável e flores muito ornamentais, ambos surgem diretamente do tronco.
Porte: 8 a 25 m.
Fenologia: o ano todo, mais abundante na primavera.
Cor da Flor: amarela e vermelha / branca e rosa intenso (com perfume forte).
Cor da folhagem: verde-escura.
Origem: Amazônia (Pará, Amazonas, Venezuela e Guiana).
Clima: tropical/ subtropical (suscetível a geadas).
Luminosidade: sol pleno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *