Aristolochia gigantea

 

O nome botânico, desta trepadeira com folhagem densa, vem do grego aristos = excelente e lochios = parto, por causa do poder de determinar contrações do útero. No “Dicionario Brasileiro De Plantas Medicinais” de Meira Penna, editado em 1946, são relacionadas dezessete variedades destas Aristolochias, que chamavam a atenção dos botânicos desde a época em que Carl Von Martius viajou por diversas regiões do Brasil, quando veio junto com a comitiva da imperatriz Leopoldina, mulher de D. Pedro I. Muitas delas eram usadas pelos indígenas para picadas ou mordeduras de animais peçonhentos, como a A. classenii. A flor, com um lábio peltado muito grande e oval, chegando a ter 50 cm de comprimento e 30 cm de largura, é ornado de pregas e manchas avermelhadas, parecendo um tanto murcha e com o aspecto de carne dependurada. O cheiro, quando sentido de perto, não é muito agradável e atrai insetos miúdos, especialmente moscas. Ótima para caramanchões.

 

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *