Amor

Vocês devem estar se preparando para comemorar o Dia dos Namorados

 

Então nada melhor que contar uma história que tem tudo a ver com a data. A história do deus do amor. Ele nasceu ao final de um banquete feito em um lugar conhecido como o “Jardim dos Deuses”. Sua mãe, Afrodite, que protegia as paixões e os jardins do mundo, olhava para ele com o prazer de quem contemplava, não apenas o mais belo dos deuses imortais, mas especialmente, alguém que possuía a força e a energia.

Afrodite

Eros sempre aparece como um menino loiro, belíssimo e irresistível com suas asas brancas, jamais cresce e por isso nunca alcança a maturidade. Ao final de contas o amor apaixonado em tempo algum atinge a idade da razão, é carente por natureza e procura, às vezes desesperadamente, a plenitude.

O deus do amor surge repentinamente, deitado no jardim, nu ,dormindo ao ar livre sob as estrelas. Está sempre à procura dos belos de corpo e de alma, usando das mais loucas artimanhas. Valente, Eros é um caçador temível e astuto, sempre arquitetando mexericos e enredos. É romântico, encantador e hábil nos filtros que inventa. Sua natureza não é nem mortal nem imortal; no mesmo dia, de repente, quando tudo está indo bem, floresce bem vivo e, no momento seguinte, morre; mas ressuscita em seguida, graças à sua natureza paterna. contudo o que consegue pouco a pouco sempre lhe foge das mãos. Em resumo, Eros nunca é totalmente pobre nem totalmente rico.

Realmente como em um jardim em continua transformação.

Eros e Psiquê

Casou-se com Psiquê, impondo a condição de que ela nunca pudesse ver seu rosto, pois isso significaria perdê-lo. Mas Psiquê, induzida pelas irmãs, que eram muito invejosas, observa à noite, com a ajuda de uma vela, o rosto de Eros. Fascinada com a beleza dele, se distrai e deixa cair uma gota de cera sobre o peito de seu marido, que acaba acordando. Exasperado com a traição da esposa, ele a abandona. Psiquê, confusa e deprimida, passa a vagar pelo mundo até que, desfalecida, morre. Eros, que também sofria pela separação, implora para que Zeus, o pai dos deuses, tenha compaixão deles. Zeus o atende e Eros resgata sua esposa e passam a viver no Olimpo. Do fruto desse amor nasce uma filha, Hedonê, a personificação do prazer.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *