Abbottabad Golf Club, no Paquistão

Ele ficou oito anos na cidade e deixou este poema:

Lembro do dia que cheguei. Do ar doce de Abbottabad e das árvores e o solo cobertos pela neve, o lugar parecia de um sonho, um pinheiro balançava a criação. Adorei desde o primeiro instante e fui feliz endireitando minha vida nestes oito anos tão breves, deixados talvez, no meio de um dia ensolarado. Oh Abbottabad para tua beleza me curvo, o som do vento nunca mais será ouvido, deixo de presente algumas lágrimas tristes e me despeço com o coração pesado, sabendo que jamais te apagarei da minha mente.


Paisagem de Abbottabad

Não, não é quem você está pensando. As palavras são de Sir James Abbott, que escreveu isto há muito tempo, demonstrando a paixão pela cidade que fica no Vale de Orash a 1.260 metros de altura, assim como Campos do Jordão. O clima montanhoso é gostoso, com verões quentes e um pouco de neve em janeiro, pouca mesmo, só para as crianças brincar de fazer bonecos. O lugar fez com que ele, na época em que foi o primeiro Vice-comissário da cidade que se chamava Hazara, se entusiasmasse tanto ao ponto de antes de ser criado o Estado moderno da República Islâmica do Paquistão, ainda nos tempos da Índia Britânica, a cidade o homenageou usando seu nome para compor a denominação atual: Abbott e Abad, que significa “local da vida”.


Sir James Abbott, vestido como um nobre da região (óleo – B. Baldwin), 1841

Hoje é bem diferente, conhecida como “A Cidade das Escolas”, por causa das quatro Faculdades de Medicina e das Faculdades de Literatura, de Ciências Exatas e de Ciências Naturais, do Instituto de Tecnologia da Informação e da Academia Militar, entre tantas. Abbottabad é chique e atrai turistas de todas partes, aliás não só turistas, como também pessoas que imaginaram poder esconder-se em uma casa a uma distância de 2.000 metros do Abbottabad Golf Club, ponto de encontro da classe dominante local. Estranhamente esse forasteiro escolheu essa cidade, esse bairro, imaginado que poderia levar uma vida tão calma quanto tranquila é a gente que nele mora.


Cedrus deodara, nativo em Abbottabad – Paquistão

De sua residência e por cima dos muros, quem sabe, passava horas contemplando as montanhas brancas de Karakoram, na ilusão de um dia qualquer ir a pé ate o clube e bater uma bolinha ou assistir Tiger Woods, um dos melhores golfistas de todos os tempos, jogar lá. Sabia que era difícil mostrar-se em público, falar com pessoas na rua, ser normal, comer como todo o mundo em um restaurante, no Mona Lisa por exemplo, que é um dos mais antigos de Abbottabad, famoso pelo sorvete de tutti frutti.


Abbottabad Golf Club

Os sócios do Abbottabad Golf Club não falam de outra coisa. O campo está vazio, o vento primaveril agita os cedros centenários e o bar cheio de gente deixou para um segundo plano o fundador da nova cidade: Sir James Abbott. Daqui para frente o homem mais famoso que andou por lá, pelo “local da vida” se chamava Osama.

Autor: Raul Cânovas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *