A terapia energética das plantas

Laelia purpurata

 

É sábado, o último dia da semana é regido por Saturno e o céu azul-escuro, como deve ser em todo final de tarde de sábado, mostra as primeiras estrelas. Apesar do frio, os crisântemos, desnudos em um vaso de alabastro, me sorriem protegendo-me de qualquer feitiço. Essas flores e a pedra branca onde elas crescem, são, também, subordinadas a esse planeta e a seus trinta satélites.

Neste nosso mundo, repleto de magia e de símbolos, as plantas desempenham um papel fundamental para a raça humana, já que alimentam não apenas nosso corpo mas, também, nosso espírito, sempre tão carente de boas energias.

As avencas, por exemplo, fortalecem a mulher, tirando seus medos, especialmente aqueles ligados a vida profissional; já o fícus é perfeito para aqueles fechados em si mesmos, melhorando a introversão excessiva e, se você quer dar uma “reforçadinha” para atrair a simpatia dos outros, cultive grama-amendoim. Tome muito cuidado com aqueles liquens que vivem aderidos aos troncos das árvores, eles são símbolos da solidão e não ajudam nem um pouco quando se precisa do carinho e da companhia dos amigos.

Para os ambiciosos que não se contentam em ser apenas vencedores e almejam a maior das vitórias, aconselho uma palmeira-camedórea, plantada em um cachepó na cor amarelo-ouro; acreditem, é infalível, especialmente se acompanhada de marantas, que infundem a coragem essencial que todo aprendiz de super-homem precisa nas suas lutas cotidianas para triunfar na vida.

Mas e o amor? Bem, essa dica eu sopro no pé-do-ouvido; na sala, um belo arranjo com gladíolos-vermelhos e, no quarto, dois vasos com orquídeas em flor. Depois vocês me contam.

 

 Crysanthemum morifolium                                                           Adiantum sp

 

por Raul Cânovas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *