A milenar arte dos ikebanas

Do costume de se oferecer flores nos altares budistas surgiu a arte floral do ikebana, que nada mais é do que arranjar flores, folhas e galhos, todos naturais, para que harmonizem com o vaso e o local onde estão dispostos. O significado da palavra vem da junção de duas palavras japonesas: ike, que significa vida, e hana (ou bana), que significa flor.

Enquanto as técnicas ocidentais de arranjos florais dão destaque especial para as flores e suas pétalas, a arte oriental procura deixar todos os elementos em harmonia. Para criar linhas puras e minimalistas, os galhos tem papel importante nesta técnica.

O arranjo oriental tem como base três ramos principais, que representam o homem, a Terra e o céu. Os dois primeiros são denominados ramo primário e secundário, e não podem ter flores, apenas folhas e botões. Já o ramo do céu é a parte ornamental do arranjo, permitindo flores abertas e coloridas.

Para fazer um Ikebana, você irá precisar de um vaso, ramos lisos e outros floridos, uma esponja para arranjos, tesoura e água fresca. Comece cortando as bases dos ramos com a tesoura no ângulo de 45 graus. Deixe-os de molho na água para que não ressequem.

Em seguida, coloque a esponja para arranjos dentro do vaso e comece a montar o ikebana. Primeiramente, coloque o ramo ornamental no vaso, de modo que fique ligeiramente virado para a esquerda.

Então, prenda o ramo primário, que deve ter, aproximadamente, o dobro do tamanho dos outros dois. Ele deve ser posicionado em frente ao caule ornamental e precisa formar um ângulo de 45 graus com o vaso. Por último, coloque o ramo da Terra na frente dos outros dois. Finalize enfeitando o arranjo com flores e folhagens.

Você já ouviu falar desta técnica? Conte nos comentários e nos envie fotos, caso tenha estes lindos arranjos em casa! 
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *